Estabilidade Emocional - Meditação Transcendental
Loading...

Estabilidade Emocional

A Meditação Transcendental traz equilíbrio emocional.


Sob estresse, a atividade do córtex pré-frontal do cérebro é reduzida, contudo pratica da MT a aumenta significativamente.

Por meio de descobertas recentes, é possível explicar como o estresse interrompe o funcionamento normal do cérebro e aumenta o comportamento impulsivo.

O córtex pré-frontal, a parte do cérebro logo acima dos olhos, é responsável pelo nosso “pensamento mais elevado” (higher thinking), ou seja, planejamento a longo prazo, controle de impulso, julgamento do que é certo ou errado. Essa parte é também conhecida como o diretor-geral ou “CEO do Cérebro”, já que a maioria das decisões acontece nesse local. Além disso, o córtex pré-frontal do cérebro humano diferencia o homem do animal.


Quando o cérebro funciona normalmente, o fluxo de informação é o seguinte: a informação entra através do sistema sensorial, é enviada para o córtex pré-frontal, é processada e as decisões são tomadas e enviadas para o sistema motor, que aciona os músculos que devem responder.

No caso de estresse, o fluxo de informação muda. A informação é desviada do córtex pré-frontal e flui diretamente do sistema sensorial para o sistema motor. Há uma boa razão para que o cérebro se comporte dessa forma: ao atravessarmos uma rua, por exemplo, vemos um carro se aproximar rapidamente –  precisamos reagir rápido, sem hesitação, pois não há tempo para pensar; precisamos sair do caminho imediatamente, de modo impulsivo, a fim de ativar o mecanismo que nos protege quando nos sentimos ameaçados.

Há muito tempo, sabe-se que a instabilidade emocional está relacionada ao estresse, mas hoje os pesquisadores são capazes de fornecer uma explicação científica para isso. O estresse “desativa” a parte frontal do nosso cérebro – responsável pela nossa estabilidade emocional (para mais informações sobre como o estresse afeta o cérebro, consulte: Impulsividade). Por conseguinte, o estresse crônico trava a amígdala, a parte do cérebro que regula o medo e a raiva, na posição “on”.

A transcendência “ativa” o córtex pré-frontal.

A transcendência tem o efeito oposto ao estresse. Na verdade, aumenta a atividade do córtex pré-frontal.

Na transcendência, o corpo entra em um estado profundo de repouso, permitindo que sejam removidas as tensões mais profundas e que o córtex pré-frontal se torne mais ativo. Isso pode ser avaliado em exames de imagem neurais que medem o fluxo de sangue para o cérebro. A atividade no tálamo (relacionado às funções corporais) é reduzida, propiciando um estado de relaxamento, à medida que há um aumento de atividade no córtex pré-frontal.(veja pesquisas sobre estabilidade emocional)

Estas mudanças no cérebro são exclusivas da experiência da transcendência durante a Meditação Transcendental. O relaxamento comum, experimentado na maioria das outras técnicas de meditação ou de relaxamento, não apresenta o mesmo grau de mudanças.

Durante a transcendência, o córtex pré-frontal é ativado, e a coordenação com outras partes do cérebro é restabelecida, a qual foi interrompida durante o estresse. Essas situações podem ser avaliadas medindo a coerência do EEG (para mais informações, veja: Transcendência, desenvolvimento cerebral completo). Pesquisas recentes demonstram que a estabilidade emocional também está diretamente ligada à coerência do EEG, sobre a qual a transcendência tem um forte efeito positivo.

A experiência da transcendência aumenta a paz interior e a calma emocional.

O efeito da transcendência no cérebro é o oposto do efeito causado pelo estresse. A transcendência aumenta a atividade na parte frontal do cérebro e libera a amígdala da posição “on” permanentemente (travada pelo estresse crônico). Quanto mais experimentamos esse estado, mais o cérebro vai se habituar a esta experiência, trazendo melhor estabilidade emocional.

Artigos Relacionados