Como aprender

Vencendo a Procrastinação

Procrastinação tem a ver com sofrimento. Equilíbrio tem a ver com Iluminacao. Uma fisiologia iluminada jamais irá procrastinar.
Por Maria Bernardete.

Eu procrastino, tu procrastinas, ele procrastina.

Uma forma elegante para o mesmo que deixar para depois, deixar para amanhã, adiar. Esse era o lema do dito preguiçoso.

Mas, na verdade, hoje sabemos que a procrastinação tem a ver com uma condição psicofisiológica. A pessoa experimenta internamente que não consegue fazer, não tem energia, não tem disponibilidade interna para fazer agora e, então adia, às vezes indefinidamente. Cansaço, desânimo, falta de motivação. Deixar para amanhã o que poderia ser feito hoje –  Isso é procrastinação.

Todos nós passamos por situações como essas em algum momento. Há inclusive fases da vida onde procrastinamos mais. A adolescência é uma delas, principalmente no que diz respeito a obrigações.

Porém, nos dias atuais essa procrastinação não saudável tem a ver com uma condição psico fisiológica não equilibrada, um sistema nervoso extremamente sobrecarregado e isso também tem a ver com o momento que todos estamos vivendo, um momento em que somos exigidos praticamente 24 horas por dia. Um momento em que o meio ambiente, o social, a internet, as redes sociais, a comunicação de maneira geral, o nosso trabalho, relacionamento, tudo nos coloca muito presentes aqui fora, voltados para o meio ambiente e aí perdemos a capacidade do silêncio, de estar conosco mesmos, de voltar para a base; e mesmo o sono não é suficientemente capaz de nos levar a esse nível.

Procrastinação tem a ver com sofrimento. Equilíbrio tem a ver com Iluminacao. Uma fisiologia iluminada jamais irá procrastinar.

Procrastinação causa sofrimento

Muitas vezes  acordamos fatigados, cansados e chegamos ao final do dia  destruídos. Fisiologia sobrecarregada, cérebro que não consegue funcionar de forma organizada, ordenada, coerente.

Não conseguimos realizar as coisas facilmente e então procrastinamos.

Será que algo pode ser feito em relação a isso?

SIM, porque nós somos seres perfeitos, só precisamos equilíbrio. Então vamos a isso.

Existem duas naturezas  atuando em nossa vida e que tendem ao equilíbrio.

Uma é a natureza do corpo. O corpo quer ser mais saudável, mais equilibrado e vai nessa direção naturalmente se permitirmos.

O melhor laboratório do mundo está dentro de nós mesmos. Existe uma inteligência que tende a uma organização, auto regulação, se nos permitirmos. E, dá para saber se está tudo indo bem ou não, dá para mensurar os resultados.

Outra é a natureza da Mente – Quando é que nossa mente sente mais prazer? Quando está consigo mesma, a mente quer se recolher, voltar para casa, silenciar.

A mente precisa de silêncio, ordem, coerência para poder voltar para a atividade com toda sua capacidade.

Mente sã em corpo são tem como resultado consciência.

Aqui estou me referindo a um nível diferente de Consciência. Estou falando de  Consciência Pura, que subjaz ao nosso nível mais íntimo, mais silencioso. No nível do nosso próprio SER.

É dessa consciência que estou falando. Desse nível. Mas, como alcançar esse nível tão refinado, tão além do imaginável? Através do equilíbrio mente, corpo.

Se eu treinar minha mente a estar cada vez mais refinada, mais coerente, mais organizada, e, se eu treinar meu corpo a estar cada vez mais equilibrado, mais saudável, mais coerente, então eu naturalmente vou experimentar expansão de consciência.

E que consciência e essa? Consciência pura, consciência transcendental, onde todas as leis da natureza estão contidas. Não o campo da vida onde tudo é mutável e sim o campo imutável, absoluto da vida. A própria base da vida mutável, esse campo absoluto, ilimitado, universal que me habita. Meu próprio SER.

É aí que nossa mente deseja estar. Para que? Para poder reavivar, poder se iluminar nesse campo onde todas as leis naturais estão contidas, e de onde podemos resgatá-las .

Aí temos a nossa máxima em termos de paz , felicidade, bem aventurança. Ao experimentar esse campo voltamos para o campo relativo da vida completamente inundados, permeados por essa consciência pura e transcendental. Para isso precisamos mergulhar em nós mesmos.

Acessamos esse grande campo absoluto da vida –  consciência pura, campo do veda onde todo o conhecimento está estruturado. reavivamos as leis naturais contidas ai  e com isso nosso dia a dia, nossa atividade serão apoiados por esse silêncio que transborda desse nível ilimitado da vida.

Maharishi Mahesh Yogi dizia que nós somos primordialmente consciência pura e a consciência cria matéria. Ser imutável que cria o ser mutável. Esse é o nosso lado divino, esquecendo religião, divino no sentido de completo, absoluto, mergulhar em mim mesmo, e apenas SER e então trazer para o campo relativo da vida esse valor absoluto.

Isso nos fazemos quando praticamos a técnica da Meditação Transcendental. O próprio nome já define, meditação transcendental. Técnica simples, fácil, e natural na qual a mente naturalmente mergulha em si mesma.

Apenas vinte minutos duas vezes ao dia, mergulhamos no SER, reavivamos todas as qualidades absolutas desse nível, voltamos ao campo relativo da vida e vamos viver, aqui neste mundo agitado, barulhento apoiados  por esse silêncio interior.

Como isso é possível?

É da natureza da mente mergulhar em si mesma, ir em direção a mais e mais, transcender. Somos seres transcendentes, todos nós. Não há um único ser humano que não seja. Só precisamos voltar para casa, como aquele menino que partiu muito cedo, mas traz dentro de si a necessidade de voltar às suas origens, porque só assim estará completo. Essa é a única forma de alcançar a verdadeira felicidade. A partir de nós mesmos. Desse nível silencioso, dessa paz, dessa harmonia, que sempre esteve aí mas está encoberto pelo excesso de experiências e estímulos, e que precisa ser avivado. E isso é possível a partir da técnica da Meditação Transcendental.

Quando mergulhamos em nós mesmos, reduzimos atividade mental, reduzimos atividade física, experimentamos um nível de repouso muito profundo, mais profundo que o sono profundo. Reduzimos todas as taxas relativas a atividade, taxa de oxigênio, cortisol, etc. nosso corpo também ganha, nos tornamos mais saudáveis. Seria impossível ter um ganho mental, se o corpo não acompanhar e ganhar algo também. Mente e corpo caminham juntos, se auto influenciam. Um corpo sadio favorece uma mente sadia e vice versa. A técnica da mt é uma técnica simples e natural que nos devolve a habilidade de mergulhar, voltar para casa e desfrutar de nosso lar mais íntimo, que é o nosso próprio SER.

Através dela ganhamos benefícios em todos os aspectos. No campo do potencial mental nos tornamos mais criativos, mais focados, ganhamos a habilidade de nos concentrarmos melhor na atividade, ficamos mais saudáveis, porque damos oportunidade ao nosso sistema nervoso de se auto regular e assim eliminar tensões e estresses profundamente enraizados no nosso sistema nervoso, marcados ao longo de toda uma vida. Ganhamos essa habilidade dessa auto regulação psico fisiológica.

A mt é uma técnica muito antiga, com mais de 5 mil anos. A nossa história data de mais de 7 mil anos. Mas ainda assim e por isso mesmo é tão atual. Apenas fazer da maneira correta e teremos o benefício, maior do que possamos imaginar, porque vamos ganhar em consciência, transcender e ir além do pensamento. Não é uma técnica de esvaziar a mente, não é uma técnica de concentração, não é uma técnica de controle. Apenas uma técnica natural.

E muito bom, prazeroso, agradável estar no mundo, apesar do burburinho, experimentar dentro de nós um silêncio único, imensurável, isso nos faz auto referentes, apesar de todo tumulto aqui fora. Essa é nossa experiência quando adquirimos a habilidade de navegar nesse silêncio e inundar nossa atividade com esse silêncio, suportar nossa atividade com esse silêncio essa é a fórmula para a felicidade. Nós não temos que buscar felicidade do lado de fora, nas coisas externas, essa seria uma felicidade muito fugaz e passageira, vem e vai. prevalece o sofrimento sobre a felicidade .

Nós temos que ser felizes. Maharishi diz que o propósito da vida é a felicidade. A própria criação existe para ser feliz.

Quando adquirimos a habilidade de ser felizes independente  do que acontece aqui fora, então sim crescemos em felicidade, amor incondicional, compaixão, e mais do que isso, nós criamos a habilidade de mudar o meio ambiente, através de um efeito de campo universal.

Nós podemos ser os precursores da paz através do silêncio, não desse silêncio de apagar tudo, desliga tudo, veda as paredes. Não é lá fora, é aqui dentro. Não é um silêncio como entendemos aqui fora, é um silêncio diferente. E mais, um silêncio que pode até ser mensurado, medido, sabiam?

Como podemos medir o silêncio da minha mente, o silêncio do meu corpo?

Fácil, redução metabólica, queda da taxa de oxigênio, redução do cortisol, aumento do hormônio da felicidade. Eu posso traduzir tudo isso como ampliação do silêncio na minha fisiologia. Quanto maiores esses índices positivos e quanto menores os negativos maior e a capacidade de silêncio do meu corpo. E a minha mente? Minha mente experimenta o silêncio no transcendente. Ao transcender, a atividade mental é mínima, transcender o próprio pensamento então estou na máxima de silêncio.

Ondas especiais prevalecem. No nosso caso prevalecem ondas alfa 1, presentes na nossa fisiologia. Corpo profundamente repousado, mente mais alerta do que nunca. Porque está desperta em si mesma, consciência pura, livre de pensamento, intelecto ou ego.

Essa é a nossa matemática da consciência. Quando tudo se organiza, fica tudo no lugar, nós podemos falar que a procrastinação não tem mais espaço, vai embora, porque é necessário equilíbrio para que nos abandone definitivamente.

Quando nos tornamos mais criativos, mais coerentes, melhores SERES não há mais espaço para a procrastinação.

Procrastinação tem a ver com sofrimento. Equilíbrio tem a ver com Iluminação. Uma fisiologia iluminada jamais irá procrastinar.